Arquivo da tag: Gaulish

Uma herbalista pouco conhecida: Locusta da Gália

locustaUma herdeira da ciência dos vates na Roma do séc. I?

Locusta nasceu no séc. I E. C. na Gália romana. Em seus primeiros anos, Locusta aparentemente aprendeu muito sobre as ervas de seu país. Ao chegar a Roma, Locusta descobriu que as pessoas em seu círculo eram gananciosas e cheias de cobiça. Naqueles dias, havia muitas pessoas em Roma que desejavam apressar a morte de seus rivais ou de parentes ricos; tais mortes, contudo, teriam de parecer naturais. Locusta forneceu-lhes os meios para atingir seus objetivos – tornou-se uma envenenadora profissional. Embora tenha sido presa por outras atividades, possuía alguns clientes influentes que a ajudavam a sair da prisão rapidamente.

Por volta do ano 54 E. C., Locusta foi chamada em segredo pela imperatriz Agripina, quarta mulher do imperador Claudius. Agripina tinha desejos muito claros: Nero, seu filho de um casamento anterior, deveria ser o imperador de Roma. Assim, Claudius, então com 64 anos, tinha de morrer. É nessa parte que Locusta entra.

Agripina sabia que Claudius adorava cogumelos. Também sabia que o imperador tinha provadores. As duas mulheres elaboraram um plano. Certa tarde, quando o auxiliar mais chegado do imperador estava doente, Agripina subornou o provador para ficar fora do caminho e Locusta envenenou uma grande porção de cogumelos. Depois de servir ao imperador muito vinho, Agripina trouxe ela própria os cogumelos envenenados a Claudius. Sem suspeitar de nada, Claudius devorou as guloseimas envenenadas.

Logo, o imperador estava se dobrando com dores de estômago, falta de ar e sem conseguir falar. Agripina, esposa dedicada, agitava-se freneticamente a sua volta com fingida preocupação. Poderia o amado imperador ter comido algo que não caísse bem? Locusta havia pensado numa segunda arma que Agripina iria então usar, uma pena com outra dose letal de veneno. Em sua aparente agitação para ajudar o marido tomado de dores, Agripina meteu a pena envenenada em sua garganta, com a falsa intenção de fazê-lo expelir do estômago a substância tóxica.

Em 13 de outubro do ano 54 E. C., o imperador Claudius morreu e Nero, então com 16 anos, foi nomeado imperador. Agripina estava mais do que satisfeita. Quanto a Locusta, foi jogada ao cárcere e recebeu sentença de morte.

Nero, entretanto, possuía seus próprios rivais e medos. Claudius tinha um filho de 14 anos de um casamento anterior, chamado Britannicus. Nero sabia que Britannicus também tinha pretensões ao trono e precisava certificar-se de que Britannicus não iria atrapalhá-lo. Sorrateiramente, poucos meses depois de tornar-se imperador, Nero ordenou que Locusta fosse libertada da prisão e imaginou um novo plano para as habilidades da envenenadora.

Num jantar de família ao entardecer, o vinho foi trazido e derramado nos cálices. Os provadores de comida testaram a bebida das taças e passaram-nas aos convidados. Nero, Agripina, sua mãe, vários outros parentes e o jovem Britannicus, estavam todos completamente ignorantes quanto ao estratagema. Quando Britannicus tomou um bole de vinho, devolveu o cálice ao provador, reclamando que a bebida estava muito quente. O provador de comida adicionou um pouco de água fria ao vinho e devolveu-o ao menino. Dessa vez, porém, o provador tinha esquecido de provar a água fria e limpa que fora adicionada à taça de Britannicus – e foi ali que Locusta tinha vertido sua poção venenosa.

Assim que Britannicus caiu em convulsões, Nero calmamente lembrou aos convidados que Britannicus sofria de epilepsia e recusou-se a chamar qualquer ajuda para o rapaz que estertorava. A ansiedade de Agripina era terrível! Ela sabia exatamente o que seu filho estava fazendo, pois reconheceu a armação e compreendeu que tudo tinha sido feito sem consultá-la. Ela começou a comer seu jantar com calma, tendo cuidado para não denunciar em seu rosto o terror que enchia seu coração, pois sabia que poderia ser o próximo alvo. Os demais membros da família logo aceitaram a calma de Nero e retornaram cautelosamente à refeição vespertina, enquanto o garoto rastejava e torcia-se no chão. Ninguém teve a coragem ou foi tolo o bastante para fazer qualquer coisa em favor de Britannicus contra o desejo do imperador.

Por fim, Nero chamou os escravos para removerem Britannicus do aposento. O pretenso rival do imperador morreu poucas horas depois e foi apressadamente sepultado naquela mesma noite, apesar de uma grande tempestade e dos boatos que se espalharam de uma ponta a outra de Roma.

Tendo o imperador Nero como um de seus clientes satisfeitos, Locusta desfrutou do rápido crescimento de sua reputação e riqueza. O imperador cumulou-a com terras, dinheiro, presentes e o perdão completo por todos os envenenamentos de que fora acusada em anos passados. Houve outras recomendações do palácio e mais encomendas. Locusta estava muito ocupada com seu trabalho de envenenadora de aluguel e chegou a abrir uma escola para passar a outras seu conhecimento de ervas e toxinas, realizando testes em animais e criminosos condenados.

Com o patrocínio do imperador, Locusta gozou de um período de grande sucesso comercial. Isso até o Senado Romano finalmente ter a coragem de condenar Nero à morte em 68 E. C. Locusta previdentemente fornecera a Nero um kit de envenenamento para si mesmo, contudo, na confusão do momento, Nero perdeu-o. Antes que pudesse ser trazido ante o Senado para ser julgado pela multidão de seus crimes, Nero encontrou a morte com sua própria adaga.

Locusta, após a queda de Nero, tentou continuar sua atividade com a maior discreção. Porém, devido a sua enorme reputação como envenenadora profissional não mais apoiada pelo favor do soberano, a gaulesa foi executada pouco depois, naquele mesmo ano.

Bellouesus /|\

Anúncios

Toṷtoṷerki̭ā Belenī (A Liturgia de Belenos)

belenos

1 Rak U̯edi̯ān Runā
Runa antes da Prece
2 Lītus Pempegeni̯ī
Ritual do Pentagrama
3 Tou̯tou̯erki̯ā Belenī
A Liturgia de Belenos
3.1 Nigon (limpeza)
3.2 U̯edi̯ā (oração)
3.3 Adbertā (sacrifício)
3.4 Lindon (libação)
3.2.a Ops Nemesos: Komarkon Sāu̯elē
O Olho do Céu: Saudação ao Sol
4 Repita 2 (Lītus Pempegeni̯ī)

1 Rak U̯edi̯ān Runā

A runā (segredo) é uma oração curta que prepara o indivíduo para outro rito. Deve ser dita em voz baixa e cadenciada como as ondas do mar, de preferência em local quieto e retirado, em área fechada ou ao ar livre, ou, se possível, às margens do mar ou de um rio.

Lamās mon ou̯χsgabi̯ū Sukellī me delu̯āđđetso u̯o rodarkū,
Lugou̯s me rii̯os u̯reχteso u̯o rodarkū,
Maponī me glanos u̯reχteso u̯o rodarkū,
In karantī lubīk.
Snūs lānobitun in trou̯gī anson rodāte:
Eponās đerkan,
Brigindonos karanti̯an,
Kirki̯ī u̯iđđun,
Nantosu̯eltās raton,
Nemetonās obnun,
Nodentos su̯anton
Ad in Bitū Trii̯on u̯reχtun
Dēu̯oi̯ Senisteroi̯ samalī in Albi̯ē u̯regont.
In skatū lou̯ketūk papū, papū in dii̯ū noχtik
Snūs māronerton aneχtlon su̯eson rodāte.

Runā antes da Oração

Ergo minhas mãos sob o olhar do Dagda que me formou,
Sob o olhar de Lugh que me fez livre,
Sob o olhar de Bile que me fez puro, em amizade e alegria.
Dai-me prosperidade em minha necessidade:
O amor de Macha,
A amizade de Brigit,
A sabedoria de Ogma,
A bênção da Morrígu.
O temor de Tuireann,
A vontade de Manannán mac Lir,
Para que no Mundo do Três eu faça como os Deuses e os Ancestrais fazem em Mag Mell.
Em cada sombra e luz, em cada dia e noite, dai-me vosso poder e proteção.

2 Lītus Pempegeni̯ī

Eχsregontū, eχsregontū! Adgabi̯ontū, adgabi̯ontū!
Eχstīgari̯ū, ā kalge/ā tute! Biu̯otūđ to mī, i̯akkā to mī, sutanī bii̯ont molatou̯es su̯esron in mon kantlū. Catubodu̯a Agrorīganī, Seχtansu̯ēsores, ā Noχs, Maguni Prituniχtomagesos, ā Nemos aχ Talamu!

Tigernos Kagnēs are mī,
Tigernos Suu̯iđđou̯s ēron mī,
Tigernos Andedubnī deχsiu̯ē mon,
Tigernos Aratrī tou̯tē mon,
Tigernos Nemesos uχsi mī,
Talamū Dēu̯i̯ā u̯o mī,
Tigernos Dubron Dubnon tri mī,
Uχsmonios Māros Nemesos,
Ṷotāi̯os Māros Talamonos.
Eχstīgariū, ā kalge/ā tute! Biu̯otūđ to mī, i̯akkā to mī, sutanī bii̯ont molatou̯es su̯esron in mon
kantlū.

Ritual do Pentagrama

[Caminha em círculo na direção dos ponteiros do relógio. Agita tuas mãos como se estivesses espantando pássaros.] Saí, saí! Para fora, para
fora!

Também podes usar uma adaga. Repete as frases anteriores até sentires que o espaço está limpo, porém não mais de 7 vezes. Se usaste uma adaga, coloca-a em sua bainha ou no chão, fora do caminho.

[Com os dedos de tua mão dominante juntos, tocando tua testa entre os olhos, dize:] Eu te invoco [a força vital, nēbos, ergue-se do teu coração; desce tua mão à área genital:], ó pênis/ó vulva [de acordo com o teu gênero; o nēbos desce internamente da tua testa através da coluna vertebral e alcança a área genital]! [Toca teu ombro direito:] Vida para mim [o nēbos ergue-se dos genitais de volta ao teu coração e de lá para o teu ombro direito], [toca teu ombro esquerdo:] saúde para mim [o nēbos vruza para o teu ombro esquerdo], [entrelaçando tuas mãos na altura do coração, dize:]. Que vossos louvores estejam sempre em meu cantar [imagina um globo de luz radiante com centro no teu coração e preenchendo todo o teu corpo, iluminando o espaço onde estás]. [Avança para o leste ou fica em pé onde estás e imagina um pentagrama em tua testa. Desenha-o ou lança-o para os limites  do teu círculo, dizendo:] Ó Badb Catha, Rainha da Batalha [o nēbos flui da tua mão e forma uma estrela diante de ti; ela permanece ali], [volta-te para o norte, em sentido anti-horário, e dize:], ó Sete Irmãs [as Plêiades; visualiza a estrela e sente-a como antes], [volta-te para o oeste e dize:], ó Noite [visualiza da mesma forma que antes], [de frente para o sul dize:], Virgem do Campo de Trigo [visualiza da mesma forma que antes], [outra vez de frente para o leste, ergue o braço acima de sua cabeça e desenha o pentagrama ou lança-o para o alto, dizendo:], ó Céu [visualiza a estrela num ponto com o dobro de tua altura acima de ti] [olha para baixo de desenha o pentagrama na terra ou lança-o ao chão, dizendo] e Terra [imagina o pentagrama abaixo de ti numa profundidade com o dobro da tua altura]!

Em pé, com teus braços abertos em forma de cruz, dize:

O Senhor da Lei diante de mim,
O Senhor do Conhecimento atrás de mim,
O Senhor das Profundezas à minha direita,
O Senhor do Arado à minha esquerda,
O Senhor do Céu acima de mim,
A Terra Divina sob mim,
O Senhor das Águas Profundas através de mim,
O Grande Pilar do Céu,
O Grande Alicerce da Terra.
Cercado pelas estrelas, agora brilhas com uma luz ponderosa. Linhas de luz
provenientes das estrelas convergem em teu coração.

Repete a primeira parte:

Eu te invoco, ó pênis/ó vulva! Vida para mim, saúde para mim, que vossos louvores
estejam sempre em meu cantar.

3 Tou̯ tou̯erki̯ā Belenī (A Liturgia de Belenos)

A prece formal (kou̯ariu̯edi̯ā) é ritualizada e consiste em quatro partes básicas (peturā u̯ridodarnā):

3.1 limpeza (nigon)
3.2 oração (u̯edi̯ā)
3.3 sacrifício (adbertā)
3.4 libação (lindon)

3.1 Nigon

Nigi tou̯ du̯ī lāmai̯ ak ei̯ās ardu̯osagi̯etari̯o.

3.2 Ṷedi̯ā

Argisame entar Dēu̯ūs, Rīχs andeu̯oretī, Ṷātis ak Slanī, ad me u̯erte tou̯ ope. Lārogenos immi, birroi̯ senti in bitū mon nerton lati̯āk, eχtos tou̯ treχsi̯ā eχsanamis dīu̯erbii̯et pāpan mēblan. Ā Belene noi̯bisame, tigerne u̯erbou̯dīke, kleu̯e mon u̯epūs etik erna moi̯ tou̯ raton.

3.2.a Ops Nemesos: Komarkon Sāu̯elē

Ops Dēu̯ī mārī,
Ops Dēu̯ī Klutās,
Ops Rīgos Budīnās,
Ops Rīgos Biu̯on,
Ṷer snīs eχsemau̯nos
Papā u̯aχti̯ā aχ tratun.
Ṷer snīs eχsemau̯nos
Koi̯mū bou̯dilānūk.
Klutā tī su̯esin,
Ā Sāu̯elis klute.
Klutā tī su̯esin, ā Sāu̯elis,
Enepon Dēu̯ī Biu̯otūtos.

3.3 Adbertā

Ā Belene Agesilobere, sin aretoi̯berū are tou̯ aneχtlon. Kardatosagi̯ūmī toi̯ raton lau̯eniās ollās u̯er mon mapūs, kīlii̯an, karantas etik mon tou̯tan. Ak su̯emoi̯, eđđi maru̯on dī me konsamalī mon biu̯otūtan.

3.4 Lindon

Belene Areopsī,
Belene Argantogai̯se,
Belene Branī,
Belene Dēu̯okai̯le,
Belene Drukou̯erte.
Belene Atīr, toi̯ molātus bii̯etū (lindon seme dubrī).
Belene I̯akkitobere,
Belene I̯eđđine,
Belene Tonketouede,
Belene Tou̯iđđāke,
Belene Ṷorete.
Belene Atīr, toi̯ molātus bii̯etū (lindon seme melēs).

3.1 Limpeza

Lava tuas mãos e ergue-as.

3.2 Oração

Ó brilhantíssimo entre os Deuses, Rei que concede grande ajuda, Profeta e Curador, volta para mim os teus olhos. Sou um filho da terra, curtos são meu poder e dias no mundo, mas tua força sem falhas sobrepuja todo mal. Santíssimo Belenos, senhor muito vitorioso, ouve minhas palavras e dá-me tua benção.

3.2.a O Olho do Céu: Saudação ao Sol

O olho do grande Deus,
O olho do Deus da glória,
O olho do Rei dos exércitos,
O olho do Rei dos Vivos.
Vertendo sobre nós
A todo momento e estação.
Vertendo sobre nós
gentil e generosamente.
Glória a ti,
Tu, Sol glorioso,
Glória a ti mesmo, ó Sol,
Face do Deus da Vida.

3.3 Sacrifício
Ó Belenos, Portador de Saúde, ofereço-te isto por causa de tua proteção. Imploro-te que concedas toda felicidade a meus filhos, esposa, amigos e ao meu povo. E para mim mesmo, que eu morra do modo como tenho vivido.

3.4 Libação

Belenos previdente,
Belenos da lança prateada,
Belenos dos corvos,
Belenos dos presságios divinos,
Belenos afastador do mal.

Pai Belenos, que sejas louvado (verte uma libação de água).

Belenos portador de saúde,
Belenos brilhante,
Belenos guia do destino,
Belenos líder,
Belenos auxiliador.
Pai Belenos, que sejas louvado (verte uma libação de mel).

4 Repete 2 (Lītus Pempegeni̯ī).

Belloṷesus /|\

Inscrição de Chamalières

MEDUSA2

Você sempre quis amaldiçoar como uma bruxa gaulesa?
Você sempre quis rogar uma praga celta para os seus desafetos e não sabia como?
Então agora os seus problemas acabaram! Com a “Inscrição de Chamalières” você também pode!

Andedion uediiumi deuion ris sunarti Maponon Areueriatin!

Lopites snieđđic sos brixtia anderon: […] eti secoui toncnaman toncsiiontio. Meion ponc sessit buetid ollon. Reguc cambion. Exsops: pissiiumi so canti ris sues. Enson bisiet. Luge dessummiis. luge dessumiis, luge dessumiis. Luxe!

Pela força dos deuses inferiores eu invoco Maponos Areueriatis!

Que os faças falar e os tortures por meio da magia dos seres do Mundo Inferior: […] e todos os que jurarão este falso juramento. O pequeno, quando ele o assentar, que se torne grande. E endireito o que está torto. Cego: diante de vós com isto assim o verei. Nosso será. Preparo-os para o juramento, preparo-os para o juramento, preparo-os para o juramento. Jura!

Customize a sua maldição:

Andedion uediiumi deuion ris sunarti Nemetonan!

Lopites snieđđic sos brixtia anderon: Ludouicon, Eduardon, Tatianan, Elisan eti namantas excingaunas. Meion ponc sessit buetid ollon. Reguc cambion. Exsopes: pissiiumi so canti ris sues. Enson bisiet. Luge dessummiis, luge dessumiis, luge dessumiis. Luxe!

Pela força dos deuses inferiores eu invoco Nemetona!

Que os faças falar e os tortures por meio da magia dos seres do Mundo Inferior: Luís, Eduardo, Tatiana, Elisa e todos os inimigos que atacam. O pequeno, quando ele o assentar, que se torne grande. E endireito o que está torto. Cegos: diante de vós com isto assim o verei. Nosso será. Preparo-os para o juramento, preparo-os para o juramento, preparo-os para o juramento. Jura!

Mais um produto “Javali Artes Negras”. Marca Registrada.

Bellouesus /|\