Arquivo da categoria: Senobriχtā

Toṷtoṷerki̭ā Belenī (A Liturgia de Belenos)

belenos

1 Rak U̯edi̯ān Runā
Runa antes da Prece
2 Lītus Pempegeni̯ī
Ritual do Pentagrama
3 Tou̯tou̯erki̯ā Belenī
A Liturgia de Belenos
3.1 Nigon (limpeza)
3.2 U̯edi̯ā (oração)
3.3 Adbertā (sacrifício)
3.4 Lindon (libação)
3.2.a Ops Nemesos: Komarkon Sāu̯elē
O Olho do Céu: Saudação ao Sol
4 Repita 2 (Lītus Pempegeni̯ī)

1 Rak U̯edi̯ān Runā

A runā (segredo) é uma oração curta que prepara o indivíduo para outro rito. Deve ser dita em voz baixa e cadenciada como as ondas do mar, de preferência em local quieto e retirado, em área fechada ou ao ar livre, ou, se possível, às margens do mar ou de um rio.

Lamās mon ou̯χsgabi̯ū Sukellī me delu̯āđđetso u̯o rodarkū,
Lugou̯s me rii̯os u̯reχteso u̯o rodarkū,
Maponī me glanos u̯reχteso u̯o rodarkū,
In karantī lubīk.
Snūs lānobitun in trou̯gī anson rodāte:
Eponās đerkan,
Brigindonos karanti̯an,
Kirki̯ī u̯iđđun,
Nantosu̯eltās raton,
Nemetonās obnun,
Nodentos su̯anton
Ad in Bitū Trii̯on u̯reχtun
Dēu̯oi̯ Senisteroi̯ samalī in Albi̯ē u̯regont.
In skatū lou̯ketūk papū, papū in dii̯ū noχtik
Snūs māronerton aneχtlon su̯eson rodāte.

Runā antes da Oração

Ergo minhas mãos sob o olhar do Dagda que me formou,
Sob o olhar de Lugh que me fez livre,
Sob o olhar de Bile que me fez puro, em amizade e alegria.
Dai-me prosperidade em minha necessidade:
O amor de Macha,
A amizade de Brigit,
A sabedoria de Ogma,
A bênção da Morrígu.
O temor de Tuireann,
A vontade de Manannán mac Lir,
Para que no Mundo do Três eu faça como os Deuses e os Ancestrais fazem em Mag Mell.
Em cada sombra e luz, em cada dia e noite, dai-me vosso poder e proteção.

2 Lītus Pempegeni̯ī

Eχsregontū, eχsregontū! Adgabi̯ontū, adgabi̯ontū!
Eχstīgari̯ū, ā kalge/ā tute! Biu̯otūđ to mī, i̯akkā to mī, sutanī bii̯ont molatou̯es su̯esron in mon kantlū. Catubodu̯a Agrorīganī, Seχtansu̯ēsores, ā Noχs, Maguni Prituniχtomagesos, ā Nemos aχ Talamu!

Tigernos Kagnēs are mī,
Tigernos Suu̯iđđou̯s ēron mī,
Tigernos Andedubnī deχsiu̯ē mon,
Tigernos Aratrī tou̯tē mon,
Tigernos Nemesos uχsi mī,
Talamū Dēu̯i̯ā u̯o mī,
Tigernos Dubron Dubnon tri mī,
Uχsmonios Māros Nemesos,
Ṷotāi̯os Māros Talamonos.
Eχstīgariū, ā kalge/ā tute! Biu̯otūđ to mī, i̯akkā to mī, sutanī bii̯ont molatou̯es su̯esron in mon
kantlū.

Ritual do Pentagrama

[Caminha em círculo na direção dos ponteiros do relógio. Agita tuas mãos como se estivesses espantando pássaros.] Saí, saí! Para fora, para
fora!

Também podes usar uma adaga. Repete as frases anteriores até sentires que o espaço está limpo, porém não mais de 7 vezes. Se usaste uma adaga, coloca-a em sua bainha ou no chão, fora do caminho.

[Com os dedos de tua mão dominante juntos, tocando tua testa entre os olhos, dize:] Eu te invoco [a força vital, nēbos, ergue-se do teu coração; desce tua mão à área genital:], ó pênis/ó vulva [de acordo com o teu gênero; o nēbos desce internamente da tua testa através da coluna vertebral e alcança a área genital]! [Toca teu ombro direito:] Vida para mim [o nēbos ergue-se dos genitais de volta ao teu coração e de lá para o teu ombro direito], [toca teu ombro esquerdo:] saúde para mim [o nēbos vruza para o teu ombro esquerdo], [entrelaçando tuas mãos na altura do coração, dize:]. Que vossos louvores estejam sempre em meu cantar [imagina um globo de luz radiante com centro no teu coração e preenchendo todo o teu corpo, iluminando o espaço onde estás]. [Avança para o leste ou fica em pé onde estás e imagina um pentagrama em tua testa. Desenha-o ou lança-o para os limites  do teu círculo, dizendo:] Ó Badb Catha, Rainha da Batalha [o nēbos flui da tua mão e forma uma estrela diante de ti; ela permanece ali], [volta-te para o norte, em sentido anti-horário, e dize:], ó Sete Irmãs [as Plêiades; visualiza a estrela e sente-a como antes], [volta-te para o oeste e dize:], ó Noite [visualiza da mesma forma que antes], [de frente para o sul dize:], Virgem do Campo de Trigo [visualiza da mesma forma que antes], [outra vez de frente para o leste, ergue o braço acima de sua cabeça e desenha o pentagrama ou lança-o para o alto, dizendo:], ó Céu [visualiza a estrela num ponto com o dobro de tua altura acima de ti] [olha para baixo de desenha o pentagrama na terra ou lança-o ao chão, dizendo] e Terra [imagina o pentagrama abaixo de ti numa profundidade com o dobro da tua altura]!

Em pé, com teus braços abertos em forma de cruz, dize:

O Senhor da Lei diante de mim,
O Senhor do Conhecimento atrás de mim,
O Senhor das Profundezas à minha direita,
O Senhor do Arado à minha esquerda,
O Senhor do Céu acima de mim,
A Terra Divina sob mim,
O Senhor das Águas Profundas através de mim,
O Grande Pilar do Céu,
O Grande Alicerce da Terra.
Cercado pelas estrelas, agora brilhas com uma luz ponderosa. Linhas de luz
provenientes das estrelas convergem em teu coração.

Repete a primeira parte:

Eu te invoco, ó pênis/ó vulva! Vida para mim, saúde para mim, que vossos louvores
estejam sempre em meu cantar.

3 Tou̯ tou̯erki̯ā Belenī (A Liturgia de Belenos)

A prece formal (kou̯ariu̯edi̯ā) é ritualizada e consiste em quatro partes básicas (peturā u̯ridodarnā):

3.1 limpeza (nigon)
3.2 oração (u̯edi̯ā)
3.3 sacrifício (adbertā)
3.4 libação (lindon)

3.1 Nigon

Nigi tou̯ du̯ī lāmai̯ ak ei̯ās ardu̯osagi̯etari̯o.

3.2 Ṷedi̯ā

Argisame entar Dēu̯ūs, Rīχs andeu̯oretī, Ṷātis ak Slanī, ad me u̯erte tou̯ ope. Lārogenos immi, birroi̯ senti in bitū mon nerton lati̯āk, eχtos tou̯ treχsi̯ā eχsanamis dīu̯erbii̯et pāpan mēblan. Ā Belene noi̯bisame, tigerne u̯erbou̯dīke, kleu̯e mon u̯epūs etik erna moi̯ tou̯ raton.

3.2.a Ops Nemesos: Komarkon Sāu̯elē

Ops Dēu̯ī mārī,
Ops Dēu̯ī Klutās,
Ops Rīgos Budīnās,
Ops Rīgos Biu̯on,
Ṷer snīs eχsemau̯nos
Papā u̯aχti̯ā aχ tratun.
Ṷer snīs eχsemau̯nos
Koi̯mū bou̯dilānūk.
Klutā tī su̯esin,
Ā Sāu̯elis klute.
Klutā tī su̯esin, ā Sāu̯elis,
Enepon Dēu̯ī Biu̯otūtos.

3.3 Adbertā

Ā Belene Agesilobere, sin aretoi̯berū are tou̯ aneχtlon. Kardatosagi̯ūmī toi̯ raton lau̯eniās ollās u̯er mon mapūs, kīlii̯an, karantas etik mon tou̯tan. Ak su̯emoi̯, eđđi maru̯on dī me konsamalī mon biu̯otūtan.

3.4 Lindon

Belene Areopsī,
Belene Argantogai̯se,
Belene Branī,
Belene Dēu̯okai̯le,
Belene Drukou̯erte.
Belene Atīr, toi̯ molātus bii̯etū (lindon seme dubrī).
Belene I̯akkitobere,
Belene I̯eđđine,
Belene Tonketouede,
Belene Tou̯iđđāke,
Belene Ṷorete.
Belene Atīr, toi̯ molātus bii̯etū (lindon seme melēs).

3.1 Limpeza

Lava tuas mãos e ergue-as.

3.2 Oração

Ó brilhantíssimo entre os Deuses, Rei que concede grande ajuda, Profeta e Curador, volta para mim os teus olhos. Sou um filho da terra, curtos são meu poder e dias no mundo, mas tua força sem falhas sobrepuja todo mal. Santíssimo Belenos, senhor muito vitorioso, ouve minhas palavras e dá-me tua benção.

3.2.a O Olho do Céu: Saudação ao Sol

O olho do grande Deus,
O olho do Deus da glória,
O olho do Rei dos exércitos,
O olho do Rei dos Vivos.
Vertendo sobre nós
A todo momento e estação.
Vertendo sobre nós
gentil e generosamente.
Glória a ti,
Tu, Sol glorioso,
Glória a ti mesmo, ó Sol,
Face do Deus da Vida.

3.3 Sacrifício
Ó Belenos, Portador de Saúde, ofereço-te isto por causa de tua proteção. Imploro-te que concedas toda felicidade a meus filhos, esposa, amigos e ao meu povo. E para mim mesmo, que eu morra do modo como tenho vivido.

3.4 Libação

Belenos previdente,
Belenos da lança prateada,
Belenos dos corvos,
Belenos dos presságios divinos,
Belenos afastador do mal.

Pai Belenos, que sejas louvado (verte uma libação de água).

Belenos portador de saúde,
Belenos brilhante,
Belenos guia do destino,
Belenos líder,
Belenos auxiliador.
Pai Belenos, que sejas louvado (verte uma libação de mel).

4 Repete 2 (Lītus Pempegeni̯ī).

Belloṷesus /|\

Anúncios

Toṷtoṷerki̭ā Belenī (The Lithurgy of Belenos)

belenosToṷtoṷerki̭ā Belenī

The Lithurgy of Belenos

Formal prayer (koṷariṷedi̭ā) is ritualized and consists of four basic parts (peturā ṷridodarnā):

1 cleansing (nigon)
2 prayer (ṷedi̭ā)
3 sacrifice (adbertā)
4 libation (lindon)

1 Nigon

Nigi toṷ dṷī lāmai̭ ak ei̭ās ardṷosagi̭etari̭o.

Cleansing

Wash your [two] hands and raise them.

2 Ṷedi̭ā

Argisame  entar  Dēṷūs,  Rīχs  andeṷoretī,  Ṷātis ak Slanī,  ad me ṷerte toṷ ope.  Lārogenos immi, birroi̭ senti in bitū mon nerton lati̭āk, eχtos toṷ treχsi̭ā eχsanamis dīṷerbii̭et pāpan mēblan. Ā Belene noi̭bisame,  tigerne  ṷerboṷdīke, kleṷe  mon ṷepūs etik erna moi̭ toṷ raton.

Prayer

O most bright among the Gods, greatly helping King, Prophet and Healer, turn your eyes to me. I’m a child of  earth,  short  are my power and days in the world, but your might without fault overcomes every evil. Holyest Belenos, very victorious lord, listen to my words and grant me your blessing.

3 Adbertā

Ā Belene Agesilobere, sin aretoi̭berū are toṷ aneχtlon. Kardatosagi̭ūmī toi̭ raton laṷeniās ollās ṷer  mon mapūs, kilii̭an, karantas etik mon toṷtan. Ak sṷemoi̭, eđđi marṷon dī me konsamalī mon biṷotūtan.

Sacrifice

O Belenos Bringer of Wealth, I offer you this because of your protection. I implore you to bestow all happiness on my children, wife, friends and my people. And to myself, that I die as I have lived.

4 Lindon

Belene Areopsī,
Belene Argantogai̭se,
Belene Branī,
Belene Dēṷokai̭le,
Belene Drukoṷerte.

Belene Atīr, toi̭ molātus bii̭etū (lindon seme dubrī).

Belene I̭akkitobere,
Belene I̭eđđine,
Belene Tonketouede,
Belene Toṷiđđāke,
Belene Ṷorete.

Belene Atīr, toi̭ molātus bii̭etū (lindon seme melēs).

Libation

Foreseeing Belenos,
Belenos of the silver spear,
Belenos of the ravens,
Belenos of the divine omens,
Belenos averter of evil.

Father Belenos, may you be praised (pour out a libation of water).

Belenos bringer of health,
Bright Belenos,
Belenos guide of fate,
Belenos leader,
Belenos helper.

Father Belenos, may you be praised (pour out a libation of honey).

Belloṷesus /|\

Eluveities’ “King”: Rīχs (Gaulish Translation)

King

I, high king
Sovereign and servant
Holder of divine
Regality bestowed
In the Omphalos grove
My kingship
The song of the gods
Thou shalt know me by my fruits
The abundance in which we grew
The signs and wonders at our feet
Which the flight of the crows revealed

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods
Ambicatus is my name

My chosen set forth to conquer
Kindling beacons
My kingdom prospered and grew
Thou shalt know me by my fruits
From the Hercynan forests
To beyond the skyscraping Alps
To which the flight of the crows led us

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods
Ambicatus is my name

Rīχs

Magiorīχs immi,
Ṷlatos ṷađđosk,
Delgaṷnos
Dēṷorīgiī ratī
In Amblii̭oṷiduī.
Mon rīgion
Kantlon dēṷon:
Aṷ (mon) agrani̭obi me gignases,
Satis pī maχtame
Kai̭lā romedāk in enson tragetbi
Eton branon ambilukāsseti̭o.

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

Mon guđđi̭oi̭ ad kloi̭etun ambitetigar
Atedaṷinon daṷaṷnoi̭.
Mon rīgion bo̭unāsset ak maχte.
Aṷ (mon) agrani̭obi me gignases,
Aṷ Kai̭tobi Hercuni̭obi
Sepos Albīs ṷeroṷχsellūs
Pēbi snēs eton branon reroge.

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

OIr. ∙etha, W. ehed-, “fly” > PrC. etet (BI), eton, -ī (no)
W. amlwg, “evident, obvious, famous” > PrC. ambilukos, -ā, -on > denominative ambilukāt (AI), ambilukātus, -oṷs (mu): to make public, manifest, reveal
OIr. do∙goa, “choose, refuse” > PrC. geṷset (BI), goṷson, -ī (no), passive participle gus-tos > guđđos
OIr. imm∙téit, “seth forth, depart” > PrC. ambitēget (BI), ambitiχtā, -ā (fā)
OIr. cloïd, “overthrow, conquer, destroy” > PrC. kloi̭īt (AII), kloi̭etus (mu)
W. tewyn, “brand, ember”, > PrC. atedaṷinon, -ī (no)
G. daṷi̭os, -ā, -on, “inflamed, blazing” > denominative daṷāt (AI), daṷātus, -oṷs (mu)
B. boṷnos, -ā, -on, “prosperous, enduring” > denominative boṷnāt (AI), boṷnātus, -oṷs (mu)
OIr. imbliu, “navel” > PrC. *amblii̭on, -i (no)
OIr. mullach, “crown, summit, top” > PrC. *maldukos, -ī (mo)
OIr. mind, “oath, diadem, halidom, insignia, crown” > PrC. *mendu, -oṷs (nu)
OIr. barr, “abundance, crown, top, summit”, G. barros, -ī (mo), “head”
Gr. Ἑλληνογαλατία (Hellēnogalatía), “Gallo-Greece, i. e., Eastern Gaul, land of the Gauls settled among the Greeks” > *Galati̭ā, -ās (fi̭ā), “(Western) Gaul”
W. rhyfeddod, “a wonder, marvel” > PrC. romedon, -ī (no)

King

Rīχs

I, high king
Sovereign and servant
Holder of divine
Regality bestowed
In the Omphalos grove
My kingship
The song of the gods
Thou shalt know me by my fruits
The abundance in which we grew
The signs and wonders at our feet
Which the flight of the crows revealed

Magiorīχs immi,
Ṷlatos ṷađđosk,
Delgaṷnos
Dēṷorīgiī ratī
In Amblii̭oṷiduī.
Mon rīgion
Kantlon dēṷon:
Aṷ (mon) agrani̭obi me gignases,
Satis pī maχtame
Kai̭lā romedāk in enson tragetbi
Eton branon ambilukāsseti̭o.

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods
Ambicatus is my name

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

My chosen set forth to conquer
Kindling beacons
My kingdom prospered and grew
Thou shalt know me by my fruits
From the Hercynan forests
To beyond the skyscraping Alps
To which the flight of the crows led us

Mon guđđi̭oi̭ ad kloi̭etun ambitetigar
Atedaṷinon daṷaṷnoi̭.
Mon rīgion bo̭unāsset ak maχte.
Aṷ (mon) agrani̭obi me gignases,
Aṷ Kai̭tobi Hercuni̭obi
Sepos Albīs ṷeroṷχsellūs
Pēbi snēs eton branon reroge.

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

I am the crown of Gallia
I am the oak in the nemeton
I am the servant of Antumnos’ children
I am the will of our gods
Ambicatus is my name

Barros immi Galati̭ās,
Derṷos immi nemetē,
Ṷađđos immi mapaton Andedumnī,
Aṷillos immi enson dēṷon,
Ambikatus mon anṷan.

Gaulish translation: Belloṷesus

Delṷā Petriādos

petrias2Delṷā Petriādos
O Diagrama da Tétrade

No princípio, Esus usou seu machado para derrubar algumas árvores da Grande Floresta a fim de criar a Clareira.

No primeiro nível, Caχtū é o Poder de Esus, manifestado através de Đīronā, o alicerce para a compreensão das demais posições.

No segundo nível, Yalon e Kayton mostram o indivíduo, o Cosmos e a relação entre ambos.

Yalon (a Clareira) representa a influência do Cosmos que leva o indivíduo a uma ação.

Kayton (a Floresta) representa a reação do Cosmos às ações do indivíduo.

No terceiro nível, Tarṷos, Taranus e Sukellos representam as três decisões que o indivíduo pode tomar.

O primeiro ser surgido na Clareira foi o Tarṷos (o Touro). Por isso, Tarṷos ocupa a posição central (Kridyon, o Coração). Tarṷos representa novas decisões e orientações a ser seguidas.

Taranus (Deus do Céu e Regulador, o aspecto benéfico de Esus), representa decisões que trazem equilíbrio e coisas que não devem mudar.

Sukellos (Deus do Mundo Inferior e Sacrificador, o aspecto terrível de Esus), representa decisões antigas e orientações que devem ser descartadas.

O quarto nível, criado a partir do sacrifício de Tarṷos, representa o mundo material (Bitus, o Mundo, e Donyos, o Ser Humano).

Lugus traz a força dinâmica e criativa, as ambições e a vontade pessoal.

Brigindū mostra o poder da mente, os pensamentos, e as estratégias para a concretização de objetivos.

Mātronā governa as emoções, os sentimentos e os impulsos.

Rosmertā domina a realidade física e a vida quotidiana.

Os dez pontos formam nove triângulos menores e as relações entre estes também devem ser examinadas.

Acima de Caχtū reina Anprityos, o Incriado Não-Manifesto.

Caχtū é a Mônada (Oynās) ou Ponto, origem de todas as formas.

Kayton e Yalon compõem a Díade (Dṷiās), a linha, extensão sem largura.

Tarṷos, Taranus e Sukellos formam a Tríade (Trīās), soma da Mônada e da Díade e origem dos oráculos.

Rosmertā, Mātronā, Brigindū e Lugus integram a Tétrade (Petriās), Fonte da Natureza e Raiz de todas as coisas.

CAM00023tarotLeia também: Libations to Belenos before Divination.

Bellouesus /|\