Arquivo da categoria: beltane

Belenos e Beltane

Dois textos que contribuem para a compreensão de Belenos e do Beltane.

1 – Belenuntia, “meimendro, apolinária”

Registrada pelo pseudo-Dioscórides (4.68): “hyosky´amos … Gálloi belenoúntian” e pelo pseudo-Apuleio. Deriva provavelmente de Belenos, o Apolo gaulês que é um deus curador, exatamente como em latim “apollinaris” designa o meimendro (en francês “herbe de Sainte Apolline” [“erva de Santa Apolônia”]). O pseudo-Aristóteles (“De plantis”, 7.821) cita a palavra “belenion” como uma planta venenosa, que poderia ser uma palavra gaulesa e que parece ainda existir no espanhol “beleño”, “meimendro”, ML no. 1022. Trata-se de uma planta tóxica com efeitos alucinógenos utilizada desde a mais alta Antiguidade, bem como na Idade Média, quando era considerada a planta da feitiçaria por excelência. Encontra-se a mesma raiz para designar o meimendro em germânico e eslavo: alto alemão antigo “bilisa” (alemão moderno “Bilsenkraut”), baixo alemão antigo “bilina”, anglo-saxão “beolone”, russo “belená”, polonês “bielun´, etc. Edgar Plomé, JIES, vol. 18, 3-4 (1990), 334-35, vê nessa palavra um termo do substrato pré-indo-europeu do norte da Europa. LEW I 99, J. André, “Noms de plantes gaulois”, P. Schijver ZcPh 51 (1999), 17-45.

Delamarre, Xavier. Dictionaire de la Langue Gauloise; une approche linguistique du vieux-celtique continental. Errance, Paris, 2003, p. 71 (minha tradução).

Meimendro negro: Hyosciamus niger, black henbane, beleño negro, hierba loca, jusquiame noire, herba Apollinaris (erva de Apolo), belenuntia, belenion.

Quem quiser pesquisar o uso do meimendro negro nas culturas antigas, do Egito à China, passando por Babilônia e Grécia, não encontrará grandes dificuldades.

Apolo é o patrono divino da medicina, assim como da profecia, portanto um “iluminador”. A mesma posição ocupava Belenos entre os gauleses: iluminador, não necessariamente solar (entender iluminador como igual a solar é simplificação), e também curador. Novamente como Apolo, talvez por meio sonhos, visões e peregrinações espirituais. Que papel poderia desempenhar a erva belenuntia nesse processo?

2 – Belltaine .i. beil-tine .i. tene bil .i. da tene soinmech dognitis na draithe co tincetlaib moraib foraib 7 doberdis na cetra etarro ar tedmanduib cecha bliadna.

Belltaine, isto é, beil-tine, isto é, fogo [tene] afortunado [bil], isto é, dois fogos que os druidas costumavam fazer com grandes encantamentos e costumavam trazer o gado, [como proteção] contra as doenças de cada ano, a esses fogos.

Sanais Cormaic, “Glossário de Cormac” (versão do Leabhar Buidhe Lecain, “Livro Amarelo de Lecan”) (idem)

Os fogos de Beltane não eram fogos de fertilidade. Eram fogos de purificação (dos miasmas da estação escura, período em que o gado esteve aprisionado) e de proteção (contra quaisquer enfermidades que a estação luminosa pudesse trazer).

Bellouesus /|\

Anúncios