Arquivo da categoria: Avalon

Vita Merlini (trecho)

imagesCA9U9K4F

O trecho da Vita Merlini (Vida de Merlin) em que Geoffrey de Monmouth menciona Avalon. Original em latim e tradução.

Insula pomorum que fortunata uocatur
Ex re nomen habet quia per se singula profert
Non opus est illi sulcantibus arua colonis
Omnis abest cultus nisi quem natura ministrat
Vltro fecundas segetes producit et uuas
Nataque poma suis pretonso germine siluis
Omnia gignit humus uice graminis ultro redundans
Annis centenis aut ultra uiuiter illic
Illic iura nouem geniali lege sorores
Dant his qui ueniunt nostris ex partibus ad se
Quarum que prior est fit doctior arte medendi
Excedit que suas forma prestante sorores
Morgen ei nomen didicit que quid utilitatis
Gramina cuncta ferant ut languida corpora curet
Ars quoque nota sibi qua scit mutare figuram
Et resecare nouis quasi dedalus aera pennis
Cum uult est bristi- carnoti- siue papie
Cum uult in uestris es aere labitur horis
Hanc que mathematicam dicunt didicisse sorores
Moronoe- mazoe- gliten- glitonea- gliton
Tyronoe- thiten- cithara notissima thiten
Illuc post bellum camblani uulnere lesum
Duximus arcturum nos conducente barintho
Equora cui fuerant et celi sydera nota
Hoc rectore ratis cum principe uenimus illuc
Et nos quo decuit morgen suscepit honore
Inque suis talamis posuit super aurea regem
Stulta manu que sibi detexit uulnus honesta
Inspexit que diu. tandem que redire salutem
Posse sibi dixit- si secum tempore Longo
Esset et ipsius uellet medicamine fungi
Gaudentes igitur regem commisimus illi
Et dedimus uentis redeundo uela secundis.

A Ilha das Maçãs, que os homens chamam “Afortunada” recebe seu nome do fato de produzir todas as coisas por si mesma; os campos ali não necessitam de arados de lavradores e todo cultivo inexiste, exceto o que fornece a natureza. Por sua própria fecundidade, produz grão e uvas e macieiras brotam da grama bem aparada em seus bosques. O solo por si mesmo produz tudo o mais além de simples pasto e as pessoas ali vivem uma centena de anos ou mais. Ali, nove irmãs regem através de um gentil conjunto de leis aqueles que chegam a seu país. Aquela que é a primeira dentre elas é a mais habilidosa na arte curativa e excede suas irmãs na beleza de sua pessoa. Morgen é seu nome e ela aprendeu quais propriedades benéficas todas as ervas possuem, de forma que pode curar doenças físicas. Também conhece uma arte que permite mudar sua forma e cortar o ar em novas asas como Dédalo. Assim que deseja, ela se encontra em Brest, Chartres, ou Pávia, e, quando lhe apraz, suavemente desliza do ar em tuas margens. E dizem os homens que ela ensinou as matemáticas a suas irmãs, Moronoe, Mazoe, Gliten, Glitonea, Gliton, Tyronoe, Thitis, Thitis, mais conhecida por sua cítara. Para lá, depois da batalha de Camlan, Levamos o ferido Arthur, guiados por Barinthus, por quem as águas e as estrelas do céu são bem conhecidas. Com ele dirigindo o barco, lá chegamos com o príncipe e Morgen recebeu-nos com as honras apropriadas e em seu quarto acomodou o rei num leito de ouro e, com sua própria mão, expôs seu respeitável ferimento e observou-o demoradamente. Por fim, disse que a saúde poderia ser-lhe restaurada se com ela permanecesse por um longo tempo e ela pudesse fazer uso de sua arte curativa. Regozijando-nos po isso, a ela confiamos o rei e, retornando, desfraldamos nossas velas aos ventos favoráveis.

Tradução: Bellouesus /|\

Anúncios