Santuários Gauleses

sanctuaire de Gournay-sur-Aronde

Reconstituição hipotética do santuário gaulês de Gournay-sur-Aronde (Oise).

Aquarela de Jean-Claude Blanchet.

Santuários Gauleses

Bellou̯esus Īsarnos

Jamais a pá de um arqueólogo escavou uma sepultura que pudesse, sem sombra de dúvida, ser atribuída a um druida. Contudo, as descobertas realizadas nos antigos santuários da Gália céltica nos últimos 30 anos permitiram conhecer os locais onde se desenrolava uma parte significativa de suas atividades e mudaram sensivelmente as concepções sobre a religião dos celtas gauleses.

Antes desses achados, ignorava-se que os gauleses possuíssem locais de culto construídos por mão humana. Consoante um mito persistente, imaginava-se o gaulês como o “bom selvagem”, que sacrificava no coração da floresta e contentava-se com locais de culto naturais análogos aos utilizados na pré-história, tais como as alturas e as cavernas.

Muitos de seus santuários, na verdade, eram construções elaboradas e geralmente obedeciam a orientação astronômica. Conforme a região, poderiam variar as manifestações do culto; sabe-se, porém, que os gauleses praticavam uma religião materialmente rica que nada devia em complexidade à de seus contemporâneos do Mediterrâneo, embora não tivesse o viés filosófico ou o impulso escatológico dos gregos.

A religião céltica permanecia muito próxima da natureza, de onde retirava seus fundamentos. Sua origem (provavelmente mais oriental do que grega) refletia-se nas divindades, comumente sem forma humana. O panteão gaulês não estava hierarquizado, tendo cada tribo divindades tutelares próprias. A divisão em tribos, algumas mais, outras menos importantes, e todas nômades em certo grau, foi uma característica da Gália céltica que influiu na variação geográfica do culto.

Os vestígios arquiteturais mais impressionantes são exatamente os dos grandes santuários célticos, como o de Ribemont-sur-Ancre (Somme), escavado a partir de 1985. Mas esses santuários, sempre cercados por uma paliçada ou vala, não existem em todos os lugares na Gália. As práticas que neles se realizavam também se desenvolveram ao longo do tempo. Entre os gauleses da Bélgica, que possuíam fortes ligações com os germanos, o culto apresentava traços arcaicos, com importantes sacrifícios animais e oferendas de armas. Mais ao sul, na Borgonha e na Gália Lugdunense, a influência romana se fez sentir desde o séc. II a. E. C.: os depósitos, em lugar de armas, constituíam-se de ânforas e cerâmicas.

Esse enfraquecimento dos sinais guerreiros testemunha a substituição da sociedade guerreira gaulesa pela sociedade mercantilista galo-romana e também se reflete no elenco das deidades gaulesas feito por Caesar (“Comentários sobre a Guerra da Gália”, VI, 17, a famosa interpretatio romana), em que Mercúrio ocupa a primeira posição e Marte, a última.

Anúncios

Autor: Belloṷesus

Vicanti bledianon in sentu druuidon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s