Natririxs

serpentkingTranstornados pela morte de seus pais, dois irmãos decidiram renunciar ao mundo e viver em cabanas isoladas às margens do Tanaros. O irmão mais velho construiu a sua a um arepennis de distância da morada do mais novo.

Certo dia, Natririxs, o rei das serpentes, saiu do rio e rastejou nas proximidades. Ele não era uma serpente comum, pois levava em sua garganta uma joia mágica capaz de conceder desejos e por essa razão era chamado Moinimonis (Pescoço Precioso). Além disso, dominava o poder de assumir qualquer forma. Nesse dia, percorrendo as margens do Tanaros na forma de um ser humano, ele chegou à morada do irmão mais novo e saudaram um ao outro. Ao ser convidado, Natririxs entrou na cabana para conversar com o solitário. Tiveram uma conversação interessante e tornaram-se bons amigos. Assim, abraçaram-se antes da despedida.

Depois de alguns encontros, o rei-serpente abandonou sua forma humana e surgiu diante do eremita em sua forma ofídica original, o que assustou o rapaz. Antes de partir, a serpente abraçou-o da forma como o fazem as serpentes.

O medo causado pelo abraço da serpente foi tão forte que o rapaz depois perdeu o apetite, empalideceu e adoeceu. Dias depois, quando o irmão mais velho o visitou e percebeu sua aparência abatida e atitude arredia, perguntou-lhe o que subitamente destruíra sua saúde e, tendo escutado a história toda, ponderou que qualquer um poderia ser aliviado da presença de outrem ao solicitar-lhe a mais preciosa de suas posses. Como o bem mais precioso da serpente era a sua joia, se o rapaz a solicitasse a serpente não retornaria.

No dia seguinte, quando a serpente estava se despendindo do seu amigo, este lhe pediu sua jóia. A serpente, por sua vez, disse-lhe adeus sem abraçá-lo ou beijá-lo. No segundo dia igualmente, quando Natririxs surgiu diante dele, o rapaz outra vez pediu a sua joia. A serpente então saiu sem

entrar na cabana. Na terceira vez, quando o solitário viu Moinimonis saindo do rio, gritou-lhe: “Amigo, dá-me a tua joia!”

A serpente disse então:

“A melhor comida e bebidas finas tenho em abundância,
através da joia que desejas.
É demais o que pedes
e não te posso conceder.
Não te visitarei novamente
enquanto eu viver”.

Com essas palavras, o rei-serpente mergulhou no rio e nunca mais voltou ao eremita.

Embora assustado, o rapaz apreciava o rei-serpente e sua ausência o fez sofrer mais do que o medo e, em poucos dias, ele parecia outra vez doente.

Certo dia, o irmão mais velho fez uma visita a seu irmão e encontrou-o aborrecido e indisposto. Compreendendo a razão de sua tristeza, procurou animá-lo dizendo:

“Sentir a falta de alguém cuja afeição desejas
quando as solicitações tornaram-te detestável a seus olhos.
Solicitar a joia tornou a serpente desconfortável
e por isso ela sumiu para não mais voltar.”

Essas palavras verdadeiras pacificaram a mente do irmão mais jovem, que parou de sentir-se aborrecido e voltou a concentrar-se em seus afazeres.

Bellouesus /|\

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s